<$BlogRSDURL$>

20.2.04

Sobre as cinzas de uma amizade - Entrevista com Renato del Ponte 

Renato del Ponte é uma figura incontornável do evolianismo europeu. Fundador do Centro Studi Evoliani, de Gênes, em 1969, e editor das revistas «Arthos» e «Quaderni Evola», e, também, um dos principais animadores do movimento tradicionalista romano.

Renato del Ponte, o teu nome está estreitamente ligado ao de Julius Evola. Podes apresentar-te aos nossos leitores e precisar o que te levou a Evola e que relações mantiveste com ele?
Sou simplesmente um homem que sempre procurou dar à sua própria vida, tanto no plano existencial, político e cultural, uma linha de extrema coerência. É normal que nesta via, o meu itinerário tenha encontrado o de Evola que tinha feito da coerência, na vida como nos seus escritos, a sua palavra de ordem. Naturalmente, por razões conjunturais (Evola nasceu em 1898 e eu em 1944) o encontro físico só se pode produzir nos últimos anos da sua vida. As circunstâncias e as particularidades das nossas relações são desenvolvidas, em parte, na correspondência que trocámos a partir de 1969 até 1973.
Foram sempre relações muito cordiais, havendo da minha parte a vontade de criar uma rede organizacional que desse a conhecer o seu pensamento na Itália e no estrangeiro.

Foste tu que depositaste, no Monte Rosa, a urna que continha as cinzas de Evola. Podes contar-nos em que circunstâncias ocorreu?
Fui efectivamente eu e alguns fiéis amigos que assegurámos o transporte e o depósito das cinzas de Evola no Monte Rosa, a 4200 metros de altitude, no final de Agosto de 1974.
Para dizer a verdade, eu não era o executor testamentário das últimas vontades de Evola, mas tinha-lhe prometido, assim como ao nosso amigo comum Pierre Pascal, que estaria vigilante para que a sua vontade, relativa à sua sepultura, fosse correctamente executada.
Como Evola esperava, existiram graves e múltiplas negligências que me obrigaram a intervir e a proceder à inumação, com a ajuda de Eugéne David, que foi o guia alpino de Evola nas suas incursões ao Monte Rosa, nos anos 30. É impossível contar todas as peripécias, algumas particularmente romanescas, mas podem consultar a obra colectiva «Julius Evola, le visionnaire foudroyé» (Copernic, Paris, 1979) onde algumas são relatadas.

Para alguns o período do grupo de UR é o mais interessante de Evola. Parece que se mistura política para-fascista, ocultismo e arte moderna num inesperado e fascinante cocktail. É verdade? Como analisas esta fase da vida de Evola?
É impossível falar de forma breve do grupo UR e das suas actividades. Remeto-vos para o meu livro «Evola e il magico Grupp di Ur» (Sear Edizioni, Borzano, 1994). Limitar-me-ei a dizer que foi o período mais militante da vida de Evola. Isso, porque foi um período em que certas correntes esotéricas, que se reivindicavam da tradição romana, possuíam algumas esperanças concretas de influenciar o governo da Itália.
Mas esta fase da vida de Evola pode ser interpretada como uma tentativa, característica de toda a sua existência, de ultrapassar os limites das forças que condicionam a existência para criar algo de novo, ou de melhor, de voltar às condições mais normais da vida, segundo a Tradição.

(in «Lutte du Peuple», nº. 32, 1996)

This page is powered by Blogger. Isn't yours?